Chegar em casa representa a segurança, o descanso e o conforto do lar, certo? Nem sempre. A falta de medidas protetivas ou mesmo a desatenção de moradores facilitam a ação de bandidos e uma modalidade de crime tem ganhado mais força: as invasões de condomínios.

As ocorrências não se restringem a determinados bairros ou classes sociais e atingem diferentes públicos. Para esses moradores, a sensação é de não estar seguro nem mesmo dentro de casa.

invasões de condomínios

Os criminosos agem de diferentes maneiras e, para que você entenda melhor a situação, o Violência Social preparou um post completo para você entender:

> Como os bandidos agem;

> Conheça o caso de uma invasão a condomínio de luxo e entrada em diferentes apartamentos;

> Saiba como evitar essas ações.

 

Invasões a condomínios: como os criminosos agem?

Os bandidos atuam de diferentes formas nas invasões de condomínios, agem de acordo com a oportunidade e efetuam roubos e assaltos em vizinhanças de diferentes classes sociais.

Nos bairros e condomínios mais simples, eles arrombam portas, destravam o sistema de portões automáticos, invadem a área do edifício e furtam objetos das garagens, bicicletas ou até mesmo entram nos apartamentos e retiram tudo o que conseguem levar.

Nos edifícios mais luxuosos, a abordagem é outra. No geral, preferem render moradores, porteiros ou mesmo trabalhadores dos apartamentos, como babás e diaristas, quando eles estão chegando ao edifício. Dessa forma, conseguem entrar sem qualquer tipo de arrombamento e acionamento de sistemas de segurança.

Quando estão com moradores e empregados, então, isso se torna ainda mais fácil, e passam quase que despercebidos por seguranças e porteiros.

Apesar das diferenças na forma de efetuar os roubos, os criminosos têm um ponto de ação em comum: geralmente estudam previamente os condomínios e os moradores, assim como horários, rotina e atitudes de segurança tomadas no local. Quando colocam em prática o plano, já sabem como agir e o que esperar da situação.

invasões de condomínios

 

Assalto a condomínio de luxo

Recentemente, uma quadrilha com cerca de 15 criminosos invadiu um condomínio de luxo em Santos, no litoral de São Paulo. Eles renderam a empregada de um dos apartamentos e entraram pela garagem divididos em dois carros.

Os bandidos subiram direto para a cobertura e foram descendo em busca de apartamentos que estivessem com a porta destrancada.

A quadrilha conseguiu invadir dois apartamentos. Os moradores roubados informaram à Polícia que foram levados R$ 30 mil, U$ 3 mil e uma arma particular.

 

Como se proteger dessas ações?

A ocorrência em Santos demonstra como os bandidos estudam potenciais vítimas e se aproveitam das oportunidades. Uma forma de evitar ser vítima das invasões de condomínios é tomando medidas básicas e essenciais para garantir sua segurança.

Veja algumas dicas para colocar em prática e até mesmo para orientar outros moradores do edifício:

  • Bom relacionamento com outros moradores para que estejam sempre atentos a novas tecnologias que podem contribuir para a segurança do condomínio;
  • Cuidados ao abrir a porta, sempre confirmar quem está do outro lado, como o uso de um olho mágico;
  • Evitar o acionamento do portão automático a longas distâncias (principalmente se o morador perceber que está sendo observado);
  • Trancar sempre as portas do apartamento, mesmo em caso de saídas rápidas ou com o morador estando em casa;
  • Instalação de equipamentos de segurança em cada apartamento;
  • Estabelecer que o recebimento de entregadores de forma geral deve ser feito na portaria, e não individualmente em cada residência;
  • Evite revelar muitas informações para funcionários ou outros moradores pouco próximos, como detalhes sobre dinheiro, jóias, posses de forma geral e horários de rotina em que o apartamento costuma ficar sozinho;
  • Cuidado na contratação de empregados pessoais, exigindo referências, credenciais e histórico.

 

Leia também

Quadrilha rende empregada e invade condomínio de luxo em SP

Moradores sofrem com invasão de condomínios na zona leste de São Paulo

Sobre o projeto
Enquanto o Estado e gestores públicos não acabam com a violência instaurada no País, o que resta ao cidadão? A proposta do portal "Violência Social" é contribuir com respostas, ser um canal de conteúdo estratégico onde a população terá informações sobre como lidar com a violência e se defender, além de conhecer melhor os seus direitos.