Violência em residências e edifícios preocupa moradores de áreas urbanas

Invasões, furtos e assaltos são os crimes mais apontados nesse tipo de violência social

 

O Brasil ganhou destaque em um relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) de forma negativa: os altos índices de violência. O lar, que deveria ser um ambiente seguro e acolhedor, também entra nesses números, já que a violência em residências e edifícios tem crescido no país.

A cada uma hora, uma casa é invadida em São Paulo e o número de roubo de imóveis é o maior em três anos. Em 2016. foram 10.905 roubos dessa natureza, um aumento de 8,5% em relação ao ano anterior.

Desde 2014, a SSP (Secretaria de Segurança Pública) analisa o perfil dos roubos no Estado. Naquele ano, a violência em residências e edifícios representava 2,23% do total, hoje chega a 2,54%.

Isso porque os dados não incluem os registros de furtos, já que não há violência ou ameaça a pessoas. Um arrombamento de imóvel pode ser caracterizado como furto qualificado. Entre 2015 e 2016, os casos desse tipo passaram de 495.334 para 514.820.

violência em residências e edifícios

Cidade de São Paulo – Quando se fala sobre esse tipo de crime mais especificamente na capital, os números são ainda mais preocupantes. Em 2016, foram 12.967 assaltos a casas e apartamentos entre os meses de janeiro e agosto, uma média de 54 casos por dia.

Esses casos de violência se destacam ainda mais em determinados bairros da cidade, sendo os 15 campeões de casos de furtos em 2016: Jabaquara, Itaquera, Cidade Ademar, Sapopemba, Saúde, Penha, Santana, Tremembé, Campo Belo, Cidade Líder, Freguesia do Ó, Cidade Dutra, Tucuruvi, Vila Matilde e Vila Medeiros.

 

Vulnerabilidade e ação dos bandidos

São Paulo não é um caso isolado, capitais como Rio de Janeiro e Belo Horizonte (MG) e até mesmo o Distrito Federal têm registrado aumento na violência em residências e edifícios.

Por que isso acontece? Os criminosos se aproveitam de pequenas fragilidades dos moradores para concluir suas ações. Uma simples demora de poucos segundos de um fechamento de portão automático pode ser o momento perfeito para que efetuem um assalto à mão armada, por exemplo.

Os bandidos são articulados e, em boa parte dos crimes de violência em residências e edifícios, estudam previamente seus alvos. Ausência de pessoas no local por determinado período de tempo e falta de equipamentos ou medidas de segurança podem motivar e facilitar a movimentação dos criminosos.

 

Violência em residências e edifícios: inibindo ações criminosas

A busca por alternativas de segurança pode inibir a intenção de bandidos de roubos ou furtos de residências. O uso das tradicionais grades e cercas auxiliam, assim como precauções na movimentação de entrada e saída de casas e edifícios, mas é a tecnologia uma das principais aliadas para evitar esse tipo de violência.

violência em residências e edifícios

Medidas simples como grades em janelas podem inibir a ação de possíveis invasores

Alguns acessórios de segurança e monitoramento podem aumentar a sensação de proteção e afastar até mesmo os criminosos mais audaciosos: câmeras de vigilância, sistemas de monitoramento, alarmes, análise de vídeos, drones vigilantes, controle de acesso, leitor biométrico, controle remoto com a função de pânico que aciona a central de vigilância do condomínio, portaria virtual e a fumaça de segurança que, apesar de parecer coisa de filme, é capaz de surpreender o invasor, deixando-o sem ação por alguns instantes.

Vizinhança Solidária – Uma outra forma de segurança contra a violência em residências e edifícios é a adesão ao programa da Polícia Militar chamado Vizinhança Solidária.

Projeto da PM do Estado de São Paulo, o objetivo é aproximar os moradores de determinada rua ou bairro das autoridades, diminuindo índices de criminalidade. De acordo com o monitoramento da necessidade de cada região, são feitas rondas constantes e um trabalho de proteção e aproximação da comunidade.

 

Como se proteger?

A violência em residências e edifícios é uma realidade do cotidiano urbano, mesmo assim, é possível evitá-la. Algumas dicas de segurança podem parecer simples, mas são fundamentais para deixar os bandidos longe do seu lar.

  • Demonstre que a casa está ocupada – Alguns invasores se aproveitam de casas vazias ou exclusivas para períodos de temporada para fazerem seus roubos. Faça atividades rotineiras e a mantenha sempre limpa, mostrando que há cuidado e que pessoas estão ali;
  • Verifique as trancas – Deixe sempre janelas, portas, garagens e galpões fechados. Sempre que possível, verifique a força e a utilidade das fechaduras;
  • Guarde objetos de valor longe de janelas e portas – Para que eles não sejam facilmente vistos e acessados por pessoas do lado de fora;
  • Prefira garagens fechadas – Isso é uma forma de dificultar que bandidos vejam qual é o carro da família e as movimentações do lado de dentro;
  • Invista em equipamentos de segurança – Alarmes e sistemas de monitoramento são importantes tanto para casas quanto no caso de apartamentos;

violência em residências e edifícios

  • Cuidado com a rotina – Criminosos estudam seus alvos e, se você sai exatamente nos mesmos horários todos os dias, pode ser um fator facilitador para pessoas mal intencionadas;
  • Entre e saia rapidamente – Seja de casa ou do do edifício onde mora. Não facilite para uma possível ação de bandidos.