50 milhões de brasileiros admitem terem proximidade com alguma vítima de homicídio ou roubo. O número expressivo não deixa dúvida, a violência urbana é um dos maiores problemas do País. A constatação feita pela pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública realizada pelo Data Folha em todo o Brasil aponta, ainda, que para 63% da população, a Polícia Militar é uma das responsáveis pelo quadro.

No total, entre o dia 3 a 8 de abril, o instituto escutou 2.065 pessoas com 16 ou anos ou mais. Pelos dados, os 50 milhões de brasileiros que admitem ter proximidade com alguma vítima de homicídio ou roubo, consiste em  35% do entrevistados.  Vale ressaltar que a reincidência entre negros, com 38%, é maior do que entre brancos, com 27%. Bem como entre homens e mulheres, com 40% e 31% respectivamente. Além disso, a pesquisa indica que 12% (16 milhões) das pessoas ouvidas já foram vítimas de ameaça de homicídio, 8% já foram feridas por arma branca e 4% por arma de fogo.

O levantamento também abordou o tema segurança e 94% dos entrevistados acreditam que o nível de violência no Brasil é muito alto. Sobre o setor responsável pelo índice de violência, 63% apontaram a Polícia Militar como “muito responsável”, já a Polícia Federal foi citada por 61% e o governo federal por 59%. Os governadores, Poder Judiciário, Ministério Público, Polícia Rodoviária Federal, Congresso Nacional, prefeitos, sistema prisional, Corpo de Bombeiros, Assembleia Legislativa, Câmaras Municipais, Guarda Municipal e Secretarias de Assistência Social também foram citados.

O Instituto Datafolha ouviu pessoas em 150 cidades pelo País. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos. O levantamento integra a campanha Instituto Vida, lançada no último dia 9 no Brasil, e reúne 32 organizações da América Latina que têm como objetivo reduzir pela metade o índice de homicídios em 10 anos.

Nessa matéria você vai ver:

o   O que é violência urbana

o   Quais as formas e causas da violência urbana

o   Quais as consequências e sequelas que uma vítima pode carregar

o   Medidas preventivas e como agir caso seja uma vítima

O QUE É VIOLÊNCIA URBANA?

A violência urbana se resume ao descumprimento dos preceitos éticos, morais e jurídicos, onde os cidadãos não respeitam direitos e deveres impostos pelo Estado. Toda e qualquer forma de agressão física, verbal ou simbólica que causa mal a outra pessoa, animal e até mesmo objeto, configura violência urbana. De acordo com a psicóloga Daniella Caroline Fernandes Chichinato, a violência urbana, no ponto de vista da psicologia, é qualquer comportamento que fere a autonomia tanto física quanto psicológica da vida de outra pessoa.  

QUAIS AS FORMAS, CAUSAS E MAIORES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA URBANA? 

São diversas as formas e tipos de violência urbana, se destacam as violências física, como homicídios, roubos, latrocínios, lesões corporais e a violência psíquica, como abandono, preconceitos raciais, religiosos e sexuais. De acordo com dados do Ministério da Justiça, em 2007 foram registradas 41.547 mortes consequentes de crimes de homicídio doloso, roubo seguido de morte e de lesões seguidas de morte.

A falta de cumprimento de valores básicos, morais, éticos e jurídicos, além do aumento populacional em grandes centros urbanos, levam a um nível elevado de escassez de educação, saúde, emprego e lazer, causando conflitos entre os cidadãos. Quando as normas estatais são violadas e os deveres não são observados, fortalece a falta do mínimo para uma existência saudável das pessoas. Com isso, há um aumento considerável de violência e é nos grandes centros urbanos que a violência é mais concentrada, devido a falta de estrutura e infraestrutura, desigualdade social e falta de politicas publicas, que contribuem para ações de criminosos.

O advogado e especialista em segurança, Elder Sena, diz que a violência urbana tem se projetado nos últimos anos em cima daqueles que são mais suscetíveis: mulheres, crianças e idosos. “São alvos mais vulneráveis e por esses motivos os agressores se sentem mais seguros em praticar violência, pois os fatores são mais favoráveis aos agressores do que para as vítimas”, explica.

QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS E SEQUELAS QUE UMA VÍTIMA PODE CARREGAR? 

A consequência da violência urbana, muitas vezes não é física, mas pode ser psíquica. Uma vítima de violência leva para sempre a lembrança do ocorrido, tenha acontecido na infância, na adolescência, na fase adulta ou já na terceira idade. Existem diversos tipos de consequências às pessoas que são vítimas de violência, algumas tendem a praticar o mesmo ato, como por exemplo a violência sexual e física, outras já são traumatizadas de forma psicotraumática. Como consequência desse trauma, ela tende sempre a evitar os hábitos que tinha antes da violência sofrida, causando uma grande mudança no seu dia a dia.

A psicóloga Daniella Caroline Fernandes Chichinato explica que uma pessoa vítima de violência urbana normalmente tem como consequência medo excessivo e constante – e muitas vezes o medo parece ser confuso. “Preocupação e sintomas de ansiedade em situações semelhantes às do momento da violência são as consequências mais comuns”. Ela diz ainda que em casos mais graves de violência, a sequelas podem ser mais sérias. “A pessoa pode sofrer de insônia, falta de ar, sensação de dor no peito, dor no estômago, diarreia, angústia, medo de sair de casa. Nestes casos são Transtornos Ansiosos como crises de ansiedade e síndrome do pânico”, pontua. O tratamento nessas condições é com psicoterapia e, até mesmo, medicação receitada por um psiquiatra.

A técnica em segurança do trabalho, Isabel Bernardo, com certeza tem uma história parecida com a de algum amigo seu ou familiar. Mais de quatro vezes vítima de roubo, ela faz parte da estatística de um dos casos mais frequentes de violência urbana. A primeira experiência foi quando foi assaltada no ponto de ônibus. “Vou contar até cinco, se você não der o celular vou atirar na tua cara”, foi a frase que ela escutou segundos antes de ter o celular roubado. Já a sua segunda experiência foi voltando a pé do horário de almoço. “Um menino jogou a bicicleta em cima de mim e mandou eu entregar o celular”, conta. Nessa mesma semana, após ter sido vítima pela segunda vez, ela sofreu mais uma tentativa de assalto, mas como não tinha nada de valor no momento, não chegou a ser roubada.

A terceira experiência foi como a primeira, no ponto de ônibus também. “Estava eu e uma amiga, passaram dois homens de moto, um pulou e nos revistou. Levou minha carteira, meu celular e a bolsa da minha amiga”. O quarto celular roubado foi voltando da academia, quando um jovem de aproximou e ordenou que ela desse o aparelho. Segundo relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) sobre a violência na região, divulgado em novembro de 2013, o Brasil tem a maior taxa de roubos registrados na América Latina. Mas esse número pode ser ainda maior, pelo fato de muitos roubos não serem denunciados para as autoridades.

MEDIDAS PREVENTIVAS E COMO AGIR CASO SEJA UMA VÍTIMA

Dentre soluções a longo prazo a serem tomadas estão, por exemplo, direitos que os brasileiros mais necessitam, como controle populacional, o acesso à saúde, à educação e a própria segurança. Ainda de acordo com o advogado e especialista em segurança, Elder Santana, quando se pensa em prevenir a violência, é necessário considerar a intervenção da família, da igreja e do Estado. “Não há dúvidas que o cidadão, quando tem acesso a saúde, uma educação de qualidade e segurança, vive em harmonia. A intervenção familiar e estatal na vida das pessoas também é importante para o combate à violência, isso porque, quando uma pessoa é assistida pela família e pelo Estado tem menores chances de ir ao caminho contrário do que rege a lei”, explica.

Caso a pessoa tenha uma virtude criminosa, o Estado também é importante para que ocorra uma reintegração à sociedade de maneira sociável. “O estado deve elaborar meios e formas de ressocialização para que o interno ou reeducando possa sempre participar da vida social e visualizar mudanças, para isso, não basta criarmos penitenciárias, mas sim, ações em que eles possam sempre estar em contato com a vida social e a vida prisional para que este peso, recaia sobre sua consciência e o presa consiga se reintegrar”, pontua Elder.

As ações que podem ser tomadas no caso de uma vítima de violência urbana,é a que vai de acordo com a lei e as sequelas adquiridas pela vítima, em cada caso em particular. 

O Violência Social separou algumas dicas de prevenção à violência urbana. Confira:

  •         Evite andar com mais dinheiro ou cartões do que necessário

  •         Evite lugares sem iluminação ou pouco movimento e se atente a movimentação ao seu redor

  •         Evite andar sozinho à noite, procure andar em grupos

  •         Ao usar transporte público, cuide da bolsa e em caso de mochila, não use nas costas, coloque na frente do corpo. Evite dormir durante o trajeto ou ficar próximo às portas de entrada e saída

  •         Não reaja a qualquer manifestação de assalto

  •         Caso seja assaltado, tente observar e memorizar as características do criminoso, mas faça isso discretamente, para em seguida procurar a polícia

  •         Procure manter a calma

  •         Combinem com seus familiares de deixarem sempre os celulares ligados por causa de falsos sequestros. Tenham também o contato de pessoas próximas que trabalhem ou estudem com seu familiar

  •         Ensine as crianças a decorarem seus dados, como telefone ou endereço de casa. Se ainda forem muito novas, deixe etiqueta com essas informações na roupa ou pertence que usam

  •         Explique para os mais jovens que há partes do corpo que não podem ser tocadas por terceiros e ensine como solicitar ajuda da polícia, tanto pessoalmente quanto por telefone

  •         Deixe sempre claro para as crianças que não se deve conversar ou aceitar nada de estranhos e não se deve desviar do trajeto da casa para escola ou da escola para casa

  •         Oriente a criança ou adolescente a pedir ajuda aos superiores da escola em caso de brincadeiras de mal gosto

  •         Seja sempre próximo do seu filho e procure saber quem são os amigos e os pais dos amigos

E, não se esqueça, denuncie!

A violência não é só no País, mas no mundo e demanda um olhar mais cuidadoso a humanidade”, historiadora Wildney Feres Contrera.

Gostou desse artigo e acredita que ele pode ajudar outras pessoas? Compartilhe-o nas redes sociais!

Sobre o projeto
Enquanto o Estado e gestores públicos não acabam com a violência instaurada no País, o que resta ao cidadão? A proposta do portal "Violência Social" é contribuir com respostas, ser um canal de conteúdo estratégico onde a população terá informações sobre como lidar com a violência e se defender, além de conhecer melhor os seus direitos.